domingo, 21 de agosto de 2016

OUTROS CONTOS

«Molas», conto proso-poético por Matias José.

«Molas»
Proso-Poética de Matias José

858- «MOLAS»

Tudo se passou no dia em que fez quatro meses... 

Estava o gato nas costas do sofá brincando com o meu cabelo, 
quando resolveu saltar para o parapeito da janela. Mediu mal o salto, 
e num repente encontrou-se no vazio a quatro metros do chão. 

Surgiu então a alcunha: — o gato parece que tem 'Molas'.

A aterragem foi perfeita!

Até ao quarto mês
O gato não tinha nome…
Surgiu então o cognome,
Ficou Molas de vez.
Uma grande insensatez
Pular do sofá prá rua,
Qual astronauta na lua
O felino amorteceu…
Uma vida já se venceu:
— Molas, que sorte a tua!

Matias José

1 comentário:

Anónimo disse...


Lindo gatinho !!!

Aqui temos mais um exemplo que os "gatos caem de pé", mas nunca fiando...

Então e o Amigo Bomer não tem ciúmes, não se sente ameaçado?...

E o Amigo Rantanplan, continua a desempenhar na perfeição as suas funções na horta da Vinha?...

A minha "canita", (Diva) já está quase com treze anos, parece uma rapozinha, embora seja côr de mel.

Uma Alandroalense (Liva)