domingo, 25 de março de 2018

OUTROS CONTOS

«Jardim do Segredo», por Manuel Matias.

«Jardim do Segredo»
Soneto de Manuel Matias

1130- «JARDIM DO SEGREDO»

Acordei com gélida sensação de frio
Tinha eu morrido quando era sol posto…
De pronto erguido, sentimento vazio,
Pensei: será que no sono havia morto?

Um estranho silêncio na minha mente
Percorreu pela manhã o pensamento,
E sentindo-me num sonho inquietante
Acabei desperto nesse preciso momento.

A alma, por vontade própria, de mim fugia,
E sem entender porque me abandonaria…
Em grande aflição sentia o próprio medo.

Foi quando o sol nasceu, era um outro dia,
No velho jardim da casa a alma então sorria
Desvendando por fim esse antigo segredo!

Manuel Matias

1 comentário:

Anónimo disse...


Parabéns, Caro Conterrâneo !!!

Sem esquecer que nesse mesmo "JARDIM"...,HÁ UMA PRIMAVERA À SUA ESPERA !...

Uma Alandroalense (Liva)