domingo, 9 de janeiro de 2011

POESIA - JOÃO CABRAL DE MELO NETO

João Cabral de Melo Neto faria hoje 91 anos se fosse vivo. A sua obra poética muito concreta, vai desde o surrealismo até à poesia popular, de um cariz estético bastante forte e marcada por rimas muito sonantes. Revolucionou a escrita poética no Brasil com uma nova forma de escrever poesia. No ano da sua morte, 9 de Outubro de 1999, ainda se chegou a falar no seu nome como forte candidato ao Prémio Nobel da Literatura.
Poet'anarquista
João Cabral versus Melo Neto
Poeta Brasileiro
BREVE HISTORIAL

João Cabral de Melo Neto (Recife, 9 de janeiro de 1920 — Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1999) foi um poeta e diplomata brasileiro. A sua obra poética, que vai de uma tendência surrealista até à poesia popular, porém caracterizada pelo rigor estético, com poemas avessos a confessionalismos e marcados pelo uso de rimas toantes, inaugurou uma nova forma de fazer poesia no Brasil.
Irmão do historiador Evaldo Cabral de Melo e primo do poeta Manuel Bandeira e do sociólogo Gilberto Freyre, João Cabral foi amigo do pintor Joan Miró e do poeta Joan Brossa. Membro da Academia Pernambucana de Letras e da Academia Brasileira de Letras, foi agraciado com vários prémios literários. Quando morreu, em 1999, especulava-se que era um forte candidato ao Prêmio Nobel de Literatura.
Foi casado com Stella Maria Barbosa de Oliveira, com quem teve os filhos Rodrigo, Inês, Luiz, Isabel e João. Casou-se em segundas núpcias, em 1986, com a poetisa Marly de Oliveira.
Sobre a sua Obra
Na poesia de Cabral percebem-se algumas dualidades antitéticas, trabalhadas com um certo barroquismo até à exaustão. Entre espaço e tempo, entre o dentro e o fora, entre o maciço e o não-maciço, entre o masculino e o feminino, entre o Nordeste desértico e a Andaluzia fértil, ou entre a Caatinga desértica e o húmido Pernambuco. É uma poesia que causa alguma apreensão a quem espera uma poesia emotiva, posto que o seu trabalho é basicamente cerebral e "sensacionista", buscando uma poesia construtivista e comunicativa, procurando a objectividade.
Embora exista uma tendência surrealista nos seus poemas, principalmente nos iniciais, como em "Pedra do Sono", buscando uma poesia que fosse também expressiva, Melo Neto não precisa recorrer ao pathos ("paixão") para criar uma atmosfera poética, fugindo de qualquer tendência romântica, mas busca uma construção elaborada e pensada da linguagem e do dizer da sua poesia, transformando toda a percepção em imagem de algo concreto e relacionado aos sentidos, principalmente ao do tacto, como pode-se perceber bem em "Uma faca só lâmina". Neste poema, Cabral apresenta a imagem da faca através da sensação de vazio que a facada deixa na carne, contrastando com a própria faca sólida que a penetra.
Algumas palavras são usadas sistematicamente na poesia deste autor: cana, pedra, osso, esqueleto, dente, gume, navalha, faca, foice, lâmina, cortar, esfolado, baía, relógio, seco, mineral, deserto, asséptico, vazio, fome. Coisas sólidas e sensações tácteis: uma poesia do concreto.
João Cabral de Melo Neto, foi homenageado, em 2007, pelo escritor e poeta baiano Goulart Gomes, com a  belíssima música "Cabralina", vencedora no Festival de Músicas do SESI - Bahia.
Curiosidades
Estranhamente, João Cabral escreveu um poema sobre a "Aspirina", que tomava regularmente, chamando-a de "Sol", de "Luz"… De facto, desde sua juventude João Cabral tomava de três a dez aspirinas por dia. Em entrevista à "TV Cultura", certa vez, ele contava que boa parte da inspiração (inspiração sempre cerebral) provinha da aspirina, que a aspirina o salvava da nulidade!
João Cabral de Melo Neto não compareceu a nenhuma reunião da Academia Pernambucana de Letras como académico, nem mesmo à sua posse.
Prémios e Distinção
Neustadt International Prize for Literature — 1992
Prêmio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana — 1994
Prémio Camões — 1990
Foi eleito membro da academia em 15 de agosto de 1968, e empossado a 6 de maio de 1969, recebido por Múcio Leão. Ocupou a cadeira 37, antes ocupada pelo jornalista Assis Chateaubriand com uma importância grande na Literatura Brasileira.
Fonte: Wikipédia

NUM MONUMENTO À ASPIRINA
Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia. 
Convergem: a aparência e os efeitos
da lente do comprimido de aspirina:
o acabamento esmerado desse cristal,
polido a esmeril e repolido a lima,
prefigura o clima onde ele faz viver
e o cartesiano de tudo nesse clima.
De outro lado, porque lente interna,
de uso interno, por detrás da retina,
não serve exclusivamente para o olho
a lente, ou o comprimido de aspirina:
ela reenfoca, para o corpo inteiro,
o borroso de ao redor, e o reafina.

Melo Neto

TECENDO A MANHÃ
1
Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito de um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.
2
E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

Melo Neto

A LIÇÃO DE POESIA 

A luta branca sobre o papel 
que o poeta evita, 
luta branca onde corre o sangue 
de suas veias de água salgada. 

A física do susto percebido 
entre os gestos diários; 
susto das coisas jamais pousadas 
porém imóveis – naturezas vivas. 

E as vinte palavras recolhidas  
nas águas salgadas do poeta  
e de que se servirá o poeta  
em sua máquina útil. 

Vinte palavras sempre as mesmas 
de que conhece o funcionamento,  
a evaporação, a densidade  
menor que a do ar.

Melo Neto


"FUNERAL DE UM LAVRADOR" - 1966
Composição: João Cabral de Melo Neto e Chico Buarque


Interpretação: Chico Buarque

Esta cova em que estás com palmos medida
É a conta menor que tiraste em vida
É a conta menor que tiraste em vida

É de bom tamanho nem largo nem fundo
É a parte que te cabe deste latifúndio
É a parte que te cabe deste latifúndio

Não é cova grande, é cova medida
É a terra que querias ver dividida
É a terra que querias ver dividida

É uma cova grande pra teu pouco defunto
Mas estarás mais ancho que estavas no mundo
estarás mais ancho que estavas no mundo

É uma cova grande pra teu defunto parco
Porém mais que no mundo te sentirás largo
Porém mais que no mundo te sentirás largo

É uma cova grande pra tua carne pouca
Mas a terra dada, não se abre a boca
É a conta menor que tiraste em vida
É a parte que te cabe deste latifúndio
É a terra que querias ver dividida
Estarás mais ancho que estavas no mundo
Mas a terra dada, não se abre a boca.

Música: Funeral de um lavrador
Autoria: João Cabral de Melo Neto e Chico Buarque
 Interpretação: Chico Buarque de Hollanda e MPB4

Sem comentários: