Loading...

quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

PINTURA - DI CAVALCANTI

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo, mais conhecido por Di Cavalcanti, nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, a 6 de Setembro de 1897. Pintor, desenhador, ilustrador e caricaturista, frequentou o atelier do impressionista George Fischer Elpons e tornou-se grande amigo do poeta Mário Oswald de Andrade. Entre o cubismo e o expressionismo, foi um pintor de várias correntes artísticas inovadoras. Di Cavalcanti faleceu na sua cidade natal, a 26 de Outubro de 1976.
Poet'anarquista
Di Cavalcanti
Pintor Brasileiro

«Auto-Retrato»
Di Cavalcanti
BIOGRAFIA

O pintor Emiliano Di Cavalcanti nasceu em 6 de setembro de 1897. Naquela época, o panorama das artes plásticas no Brasil era bastante desolador: a pouca informação, conjugada ao tradicionalismo conservador das elites vigentes deixavam o cenário da pintura a depender ainda de ecos das já ultrapassadas correntes artísticas europeias.

Nesse contexto, tornaram-se muito importantes as exposições de Lasar Segall, em 1913, e de Anita Malfatti, em 1917, esta duramente criticada. Esses dois episódios fazem parte da história de um movimento em direcção às correntes modernistas europeias, que iria culminar na Semana de Arte Moderna de 1922. Di Cavalcanti já era um artista de talento bastante reconhecido nessa época, e a sua actuação em 1922 foi essencial: o artista foi um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna e uma referência importantíssima para todo o grupo modernista e, desde então, para a história das artes plásticas no Brasil. 

Di Cavalcanti era um intelectual muito bem informado sobre as vanguardas modernistas do seu tempo, interessado não só por artes plásticas, mas por outras áreas também. Por isso mesmo, em 1921, o artista fora convidado a ilustrar o livro «Balada do Cárcere de Reading», de Oscar Wilde, um dos mais significativos escritores contemporâneos. Em 1923, Di Cavalcanti realiza viagem a Paris, frequentando o ambiente intelectual e boémio da época e convivendo com Picasso e Braque, entre outros, numa relação de admiração mútua. Sua experiência do contacto com o cubismo, expressionismo e outras correntes artísticas inovadoras, conjugadas à consciência da sua posição de artista brasileiro, concorreram para aumentar a sua convicção no propósito de ousar e destruir velhas barreiras, colocando a arte brasileira em compasso com o que acontecia no mundo. Di Cavalcanti sabia estar no caminho certo esteticamente e a viagem a Paris só reforçou as suas certezas. Entretanto, o ambiente do pintor não era o dos boulevares de Paris: Di Cavalcanti estava impregnado dos trópicos, de uma atmosfera sensual e quente.

À sua ousadia estética e perícia técnica, marcada pela definição dos volumes, pela riqueza das cores, pela luminosidade, vem somar-se a exploração de temas ligados ao seu quotidiano, que ele percebia com vitalidade e entusiasmo. A profunda inclinação aos prazeres da carne e a vida noctívaga influenciaram sobremaneira sua obra: o Brasil das telas de Di Cavalcanti é carregado de lirismo, revelando símbolos de uma brasilidade personificada em mulatas que observam a vida passar, moças sensuais, foliões e pescadores. A sensualidade é imanente à obra do pintor e os prostíbulos são uma de suas marcas temáticas, assim como o carnaval e a festa, como se o quotidiano fosse um permanente deleitar-se. A originalidade de uma cultura constituída por um caldo de referências indígenas, europeias e africanas, de forma contraditória e única, transparece nas suas telas através de uma luminosidade ímpar. 

A pintura de Di Cavalcanti representa toda uma imagem do país no mundo afora, ressaltando a sua exuberância natural e humana: é indiscutivelmente figura chave da arte brasileira. Todo o seu entendimento tem passagem obrigatória por Di Cavalcanti.
Fonte: PinturaBrasileira.com
«Cinco Moças de Guaratinguetá»
Di Cavalcanti

«Colon»
Di Cavalcanti

«Pierrot, Arlequim e Colombina»
Di Cavalcanti

«Samba»
Di Cavalcanti

«Mulheres de Pescadores»
Di Cavalcanti

«Pierrete»
Di Cavalcanti

«Retrato Lateral de Berta Singerman»
Di Cavalcanti

«CORRENTE INOVADORA BRASILEIRA»

DI CAVALCANTI

Sem comentários: