segunda-feira, 5 de novembro de 2012

POEMA DE SOPHIA DE MELLO BREYNER

Para conhecer um pouco mais da vida e obra da poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen, consultar publicação de 6 de Novembro de 2010 com o título - «LITERATURA». Boa leitura do poema «Esta Gente»... mesmo a calhar justamente! 
Poet'anarquista
Sophia de Mello Breyner
Poetisa Portuguesa

ESTA GENTE

Esta gente cujo rosto 
Às vezes luminoso 
E outras vezes tosco 

Ora me lembra escravos 
Ora me lembra reis 

Faz renascer meu gosto 
De luta e de combate 
Contra o abutre e a cobra 
O porco e o milhafre 

Pois a gente que tem 
O rosto desenhado 
Por paciência e fome 
É a gente em quem 
Um país ocupado 
Escreve o seu nome 

E em frente desta gente 
Ignorada e pisada 
Como a pedra do chão 
E mais do que a pedra 
Humilhada e calcada 

Meu canto se renova 
E recomeço a busca 
De um país liberto 
De uma vida limpa 
E de um tempo justo

Sophia de Mello Breyner 

3 comentários:

Anónimo disse...

gostei de passar por aqui,é um sítio para voltar,abraço Teresa A.

Anónimo disse...


Será que Sr. Presidente da República leu este POEMA ???...

O seu silêncio, é, no mínimo,
INTOLERÁVEL !!!...

Uma Alandroalense (L...)

Ŭel Roŝa disse...

Também eu retornei aqui para lê-lo outra vez. É muito, muito bom o texto de SOPHIA DE MELLO BREYNER!

E a publicação no dia 06 de novembro, para mim, constitui especial presente (Meu aniversário é no mesmo dia e mês) Minha alma agradece o regalo em forma de versos.

Visitante "Anônimo" está pleno de razão pois os versos de Sophia crescem em beleza justamente pelo hábil toque político!