domingo, 29 de maio de 2016

DÉCIMAS POR MATIAS JOSÉ

Recordando Mário de Sá- Carneiro...

«Dispersão»
Mário de Sá-Carneiro

«DISPERSÃO»

[Excerto]

Perdi-me dentro de mim 
Porque eu era labirinto, 
E hoje, quando me sinto, 
É com saudades de mim. 

Mário de Sá-Carneiro

DISPERSO

Nascido introvertido…
Sem mais nem menos,
Achei os dias pequenos
E as noites com sentido.
Pensei no tempo vivido
E como lhe dar um fim,
A vida é mesmo assim
O que passou, não volta…
Quando se deu a revolta,
Perdi-me dentro de mim!

 Procurei em 'ene' parte
Um rasto do passado…
O relógio tinha parado,
Os ponteiros já sem arte.
Usei porta-estandarte
Como último instinto,
Brindei com absinto
Pra não mais encontrar…
Difícil de me achar
Porque eu era um labirinto.

O tempo passa a fugir
Eu mal por isso dou,
Não sei se ainda estou
Nesse tempo que há de vir;
Quis de mim partir
E dar-me como extinto,
Com certeza indistinto
O que viesse a suceder…
Esteve ontem a acontecer,
E hoje, quando me sinto. 

 Foi traçado o destino
Pela madre que pariu…
Afinal sempre existiu
Esse tempo de menino.
Tudo mui repentino
E sem disso estar afim,
Recordo-me hoje enfim
Dos tempos de criança…
Se me vem à lembrança,
É com saudades de mim!

Matias José

2 comentários:

Anónimo disse...


Sem Comentários !...

O MEU SILÊNCIO AQUI DEIXO !!!...

Muito Obrigada

Uma Alandroalense (Liva)

Anónimo disse...

De facto sem comentários, como refere a alandroalense.

As décimas estão fabulosas!!!