segunda-feira, 30 de maio de 2011

PINTURA - FRANÇOIS BOUCHER

François Boucher, pintor francês nascido em Paris a 29 de Setembro de 1703, foi um extraordinário artista decorativo do período Barroco, embora o seu estilo fosse mais identificado com o Rococó, fazendo deste pintor um dos que melhor interpretou a arte do Rococó. Boucher faleceu na sua cidade natal, a 30 de Maio de 1770.
Poet'anarquista
François Boucher
Por Gustav Lundberg

«Auto-Retrato»
Boucher
BIOGRAFIA

Cedo se revelou artista de carreira promissora, embora se creia que o pai não o estimulasse muito na continuação desta actividade.

Aos dezessete anos ingressou no ateliê de François Lemoyne, ficando ali somente três meses, quando começou a trabalhar com Jean-François Cars. Lemoyne e Antoine Watteau foram as suas primeiras influências pictóricas.

Todos se impressionavam como a técnica e o estilo vigoroso e brilhante do pintor, a quem, três anos mais tarde, foi concedido o prestigioso Prémio de Roma. Embora não conhecendo a Itália, o nome do artista já ecoava pela Europa mais ecléctica. Quatro anos após receber o estimado prémio de incentivo a novos artistas vai finalmente para a Itália, onde tomou contacto directo com o Classicismo. 

Em Roma começou a estudar e, curiosamente, tal como Peter Paul Rubens, empenhou-se no estudo minucioso dos frescos de Michelângelo na Capela Sistina no Vaticano, em particular, e as obras memoráveis que a Renascença havia deixado para trás.

De volta à França, em 1731, foi admitido na Academia Real de Pintura e Escultura. Chegou mesmo a tornar-se reitor da dita academia e director da Real Confecção de tapetes. O que lhe sucedeu foi que tornou-se rapidamente um pintor da moda: em 1765 o Rei, contente com os seus serviços, nomeou-o pintor da Corte e pintor da Câmara. A partir desse momento concebeu numerosas obras-primas em que retratava variados membros das cortes francesa e italiana, e até mesmo de famílias reais. Celebrizou o retrato da real amante, a «Madame de Pompadour», retrato notável hoje exposto na Antiga Pinacoteca de Munique, na Baviera.

A inspiração para o seu trabalho provinha de Antoine Watteau e de Peter Paul Rubens. Das obras de Watteau absorveu a tranquilidade da natureza e de Rubens os volumes, as cores, o estilo solene e perspicaz. No retrato da «Madame de Pompadour» as duas influências são bastante claras. A Marquesa de Pompadour era sinónimo de exuberância, exagero, teatralidade, elegância, riqueza, ostentação, requinte e, portanto, do estilo bem rococó. Esta era grande admiradora da arte de Boucher e, é nos retratos desta cortesã francesa onde o artista exibe mais notavelmente o seu verdadeiro estilo. De forma até bastante concisa.

Denotou o seu estilo irresistivelmente sensível e ao mesmo tempo bravo e farto de erotismo, que em nada contrasta com os retratos de odaliscas. Entre estes é de notar Rapariga em repouso. Julga-se que a cara da odalisca é a da esposa de Boucher e o traseiro pertence a Madame de Pompadour. No mínimo, curioso... O próprio Diderot acusou Boucher de estar a prostituir a própria esposa.

Além de pintar, Boucher concretizou figurinos para teatros, tapetes e ficou célebre como decorador. Ajudou na decoração dos palácios de Versailles, Fontainebleau e Choisy.

François Boucher morreu em 1770, em Paris. Ocupava então o cargo de primeiro pintor do rei Luís XVI de França. Pintou sobretudo cenas idílicas, povoadas por personagens mitológicos e pastores, geralmente em poses sensuais e quase desnudados.
Fonte: Wikipédia
«Leda e o Cisne»
Boucher

«Madame Pompadour»
Boucher

«Madame Boucher»
Boucher

«Odalisca»
Boucher

«Odalisca Loira»
Boucher

«Detalhes de Daphnis e Chole»
Boucher

«Hércules e Vénus»
Boucher

«PINTURA ROCOCÓ»
FRANÇOIS BOUCHER

1 comentário:

Anónimo disse...

ENCANTADA!

Visitar este BLOGUE É UM BÁLSAMO PARA A ALMA!!!...

Uma Alandroalense (L...)