quarta-feira, 20 de maio de 2015

OUTROS CONTOS

«Os Sinos», conto poético por Raul Proença.

«Os Sinos»
Conto Poético de Raul Proença

509- «OS SINOS»

[Excerto]

Lede este simples conto, que vos dá
Muito singelamente,
A historia de uns amores como não há
Na época presente.

Era um vasto mosteiro o dessa terra linda
Onde vivia a flor dos beijos sensuais,
E respirava um ar da Idade Media, ainda,
A imponente altivez das graves catedrais.

Tinha uns sinos de bronze, uns sinos clangorosos,
Que em metálicos sons deitavam para os céus
Ora o encanto febril dos beijos voluptuosos,
Ora a amarga aflição do derradeiro adeus.

E em sua solidão soberana, ingente, estóica,
Levantando-se ao céu e dominando o vale,
Os sinos tinham sons duma doçura heróica,
Com soluços de bronze e risos de cristal.

Raul Proença

1 comentário:

Anónimo disse...


«Ora a amarga aflição do derradeiro adeus.»


... e os sinos tocaram!...

Liva