domingo, 29 de julho de 2012

MÚSICAS DO MUNDO

E as músicas de hoje são...
(28 de Julho de 1741, morte do compositor Antonio Vivaldi)

ANTONIO VIVALDI  
«Allegro, Concerto para Guitarra e Orquesta em Dó Menor»

Poet'anarquista

(28 de Julho de 1750, morte do compositor Johann Sebastian Bach)

JOHANN SEBASTIAN BACH - «Toccata em Dó Menor»

Poet'anarquista

4 comentários:

Anónimo disse...

EXCELENTE POSTAGEM !!!

É SEMPRE UM PRAZER VISITAR ESTE BLOGUE !!!

Muito Obrigada.

Uma Alandroalense (L...)

Anónimo disse...

Daqui seguem os meus agradecimentos ao responsável do blogue por "me" ter brindado com o extracto de um dos concertos de Antonio Vivaldi para violino.
Contemporâneos, Antonio Vivaldi e Johann Sebastian Bach, foram dois grandes compositores musicais do período barroco. Com o devido respeito para com o alemão, as minhas preferências vão para o italiano. Daí que, hoje, apenas me atreva a tecer alguns comentários sobre Antonio Vivaldi.
Como todos sabemos, Antonio Vivaldi era padre. Aliás, era conhecido em Veneza por "Prete Rosso" (o padre vermelho), devido à abundante cabeleira ruiva que sempre ostentou, a par de um rosto intensamente salpicado de sardas. Tinha uma pele muito delicada que o impedia de apanhar sol, o que o obrigava a apenas sair à noite. Supõe-se que sofreria da doença que hoje é conhecida por "lupus". Outra particularidade deste compositor, prende-se com o facto de, sendo padre, nunca ter celebrado missa. Este facto não deve ter sido alheio à perseguição que a Inquisição lhe moveu nos últimos anos de vida, obrigando-o a ir viver para Viena, cidade onde faleceu.
Estas curiosidades nada têm a ver com a genealidade deste compositor e músico, no entanto, de alguma forma, terão condicionado a sua vida. E, felizmente, não o impediram de compor aquela que eu considero a sua obra-prima, «As Quatro Estações»

PS - Aproveitando a boléia deste comentário, quero agradecer as amáveis palavras de "Uma Alandroalense (L...)", há dias publicadas neste blogue.
«Cara conterrânea, partilho inteiramente as preferências musicais que, por vezes, sugere ao administrador. E tratando-se de Maria Guinot, que infelizmente fez uma passagem muito rápida pela cena musical portuguesa, muito mais compartilho do seu gosto. Os meus cumprimentos.»

O.W.Calabrese

Camões disse...

Obrigado aos comentadores L... e O.W.Calabrese pelos gostos musicais que partilhamos.

É reconfortante saber que há pessoas que comungam connosco estas maravilhas da música clássica do séc. XVIII, do período barroco. Já lá vão uns anos...

Sobre Vivaldi: foi ordenado sacerdote em 1703 e em 1704 foi-lhe dada dispensa de celebração da Santa Eucaristia.

Diz-se ter tido vários casos amorosos, um dos quais com a sua aluna e cantora Anna Giraud.

Daí se terem levantado suspeições na composição das suas velhas óperas venezianas, dizendo-se que eram adaptadas às capacidades vocais da sua amante.

Esta promiscuidade causou-lhe alguns dissabores com outros músicos da época, entre os quais o compositor Benedetto Marcello que contra ele terá escrito um panfleto injurioso.

Na pobreza, Vivaldi decidiu vender muitos dos seus manuscritos por preços irrisórios, para assim poder viajar para Viena.

Conta-se que quis conhecer o imperador romano-germânico Carlos VI (também rei da Hungria como Carlos III) por este apreciar muito as suas composições, e em sua homenagem compôs a famosa «La Cetra».

Tornou-se o compositor real da Corte Imperial, mas a morte prematura de Carlos VI deixou-o novamente desprovido de qualquer fonte de rendimentos.

Morreu em 28 de Julho de 1741 e foi-lhe dada sepultura anónima de pobre, encontrando-se sepultado na Universidade Tecnológica de Viena, em Viena de Áustria.

A sua música só voltaria à ribalta nos princípios de 1900.

Anónimo disse...

Caros Conterrâneos O. W. Calabrese e Poet'anarquista:


Agradeço a Ambos esta estupenda e muito completa explicação, sobre a vida destes dois Maravilhosos Compositores!

Não há dúvida que partilhamos os mesmos gostos Musicais e não só !...

Foi um enorme prazer ler os vossos Comentários !...

Muito Grata pela vossa pachôrra e afabilidade.

Uma Alandroalense sensibilizada...
(L...)