segunda-feira, 14 de julho de 2014

A ROCHA DA MINA

«O sítio arqueológico da Rocha da Mina», por Conceição Roque e Rui Mataloto

«Sector 1 da Rocha da Mina»
Escadaria, «Mesa de Altar», Pavimento e Entalhes

«O SÍTIO ARQUEOLÓGICO DA ROCHA DA MINA»

O sítio arqueológico da Rocha da Mina foi identificado em 1993, no âmbito da primeira Carta Arqueológica do Alandroal e classificado desde então como santuário, integrado cronologicamente na Idade do Ferro.

Encontra-se actualmente em escavação, tendo já sido objecto de três curtas campanhas, de escavação arqueológica.

A Rocha da Mina implanta-se na margem direita, sobre um meandro da Ribeira do Lucefecit, que estrutura a paisagem entre este e a Serra d’Ossa, atravessando, no sentido noroeste-sudeste, o que é hoje o território do concelho do Alandroal. Todo o terço médio desta Ribeira percorre um trajecto sinuoso encaixado entre margens rochosas, surgindo-nos o sítio totalmente dissimulado no fundo do vale, sendo quase imperceptível à vista até muito próximo onde, depois, se impõe pela grandeza dos destacados afloramentos rochosos que a delimitam, e que a dotam de grande monumentalidade que, no entanto, não é rara neste troço da Ribeira do Lucefécit. Seja como for, a rudeza do xisto marca a paisagem, traçando uma marcada linha de afloramentos declivosos que fecham totalmente o círculo descrito pelo meandro da ribeira, tendo esta separação entre o dentro e o fora sido aparentemente reforçada artificialmente, com a possível abertura de um fosso na área do acesso actual.

Classificado como santuário e integrado cronologicamente na Idade do Ferro, o local distinguia-se pela presença de um conjunto rupestre, de que destacava uma escadaria, constituída por quatro degraus, vários pavimentos talhados na rocha, uma suposta “mesa de altar” e um “poço” ou cavidade, adjacente a estes.

«Poço» ou Cavidade
Sector 1

Segundo Manuel Calado, que o identificou, a sua implantação, no topo de um rochedo, os elementos talhados na rocha, como os degraus, o “poço” e os vários pavimentos e entalhes, permitiram fazer algumas analogias com os santuários pré-romanos do Noroeste da Península, caso dos conhecidos em Panóias ou em Ulaca.

Neste sentido, e partindo da sua leitura enquanto santuário, o contexto arqueológico e geográfico em que a Rocha da Mina se inscreve torna incontornável a sua relação com o culto a Endovélico que, apesar de divindade claramente indígena, unicamente se conhecem vestígios de época romana no local do seu suposto santuário romano. Por outro lado, o mesmo autor realça ainda que a prática de “incubatio”, documentada epigraficamente no contexto cultual de Endovélico, efectuada numa cavidade eventualmente existente junto do santuário, reforçaria uma provável ligação à Rocha da Mina, dada a existência do designado “poço”, adjacente ao conjunto rupestre do hipotético santuário. Sendo Endovélico, à partida, uma divindade de carácter tópico, a trasladação do local de culto da Rocha da Mina, no vale do Lucefecit, para o cabeço de São Miguel da Mota, a cerca de 4 Km de distância em linha recta, foi justificada, segundo o mesmo investigador, Manuel Calado, “…presumivelmente por razões de carácter logístico e/ou ideológico”.

A presente equipa de estudo não assume que a Rocha da Mina terá sido o primitivo santuário de Endovélico, porque, até ao momento, não temos qualquer dado nesse sentido; contudo, muito certamente sabemos que os habitantes da Rocha da Mina poderão ter sido os cultuantes de Endovélico.

A ocupação do local distribui-se por duas áreas distintas. Uma, a mais elevada ( que denominamos de Sector 1), que poderíamos apelidar de plataforma rupestre, por resultar do desmonte e adaptação das cristas xistosas para utilização diversa, divide-se em duas menores, separadas por uma forte clivagem do xisto; na área mais a Poente implanta-se a escadaria e o conjunto talhado que dá origem à interpretação de santuário, e que estariam rodeados por outras construções, perceptíveis pela presença de múltiplos entalhes. Na segunda parte da plataforma superior apenas podemos verificar a presença de diversos entalhes resultantes, aparentemente, da edificação de estruturas diversas.

Povoado de Meados do séc. I aC
Sector 2

A segunda plataforma, mais baixa (Sector 2), enquadra-se numa estreita faixa aplanada na base desta última e limitada por uma pequena crista rochosa existente no meandro.

Em geral, a área ocupada deverá rondar o meio hectare que deveria estar intensamente edificado, dada a multiplicidade de construções ainda visíveis, por vezes em áreas bastante declivosas, junto de veementes escarpas xistosas. Este facto resulta da vontade expressa de manter a ocupação numa área restrita em torno das escarpas, atendendo que não existem constrangimentos de espaço no meandro, particularmente para Nascente, onde este nos surge bastante mais amplo e aplanado.

Os trabalhos levados a efeito até ao momento abrangeram parcialmente ambas as plataformas, aparentemente contemporâneas.

A intervenção no Sector 1 desenvolveu-se, simultaneamente, em duas frentes principais: no interior do “poço” e sobre a pequena plataforma de acesso à escadaria. No interior da cavidade registaram-se diversas unidades estratigráficas muito semelhantes entre si, resultantes principalmente da escorrência da estratigrafia existente na plataforma superior, mas associadas a raros materiais contemporâneos, nomeadamente uma garrafa de “Sagres” dos anos oitenta, e uma moeda de 200 pesetas de 1992, datando, assim, uma provável extensa violação que esvaziou o interior da estrutura negativa. Sob estas, imediatamente sobre a rocha, registou-se uma magra estratigrafia aparentemente antiga, atendendo ao escasso conjunto artefactual.

Sobre a plataforma talhada na rocha, para Sul da escadaria, documentou-se a presença de uma lareira, em barro cozido, sobre leito de pedras de quartzo. É, ainda, de presumir a existência de outras estruturas, suposição alicerçada nos diversos entalhes na rocha ainda visíveis e na ocorrência de lajes de xisto de pequena e média dimensão, para além de nódulos de barro e adobe.

No Sector 2 e na área até agora escavada, documentou-se um conjunto arquitectónico composto por 5 compartimentos e um corredor de interligação, para além de um amplo espaço não edificado, parcialmente coberto por um alpendre em materiais perecíveis, adossado à muralha, na metade Sul da área intervencionada. Este conjunto arquitectónico deveria confinar com um espaço público de circulação, contudo, o facto de ainda não havermos intervencionado a área impede outros considerandos.

Este conjunto surge-nos delimitado a Nascente por uma pequena crista de afloramentos e pelo muro/muralha [270], que se desenvolve em sentido N-S, ganhando espessura à medida que desce na encosta. Actualmente esta estrutura apresenta cerca de 18m de extensão com um metro e meio de espessura máxima, constituindo o limite Nascente da área em escavação, tornando-se o elemento estruturante da arquitectura deste espaço.

A arquitectura na Rocha da Mina apresenta-se, então, pouco complexa, apesar do intricado dos espaços delimitados. A construção faz uso da pedra local, de xisto, lajiforme e disposta na horizontal, de calibre diverso, pouco triada, sem que se note particular cuidado na construção ou disposição das pedras, sendo os cantos raramente imbricados. Sobre os embasamentos de pedra, que poderiam ter até cerca de meio metro, desenvolvia-se uma parede em terra, erguida com técnica semelhante à taipa.

Em 2013 ampliámos a área de intervenção no Sector 2, o que nos permitiu documentar um grande espaço construído sobranceiro à ribeira, alcandorado nos afloramentos sobre a mesma. Este espaço parece constituir parte da estrutura de fortificação que delimita o sítio pelo lado Nascente.

A ocupação na Rocha da Mina resulta, segundo cremos, de uma instalação de fundo indígena gerada em meados do séc. I aC, decorrente, por um lado, do processo de desmantelamento das grandes ocupações indígenas, que se parece desenvolver durante a primeira metade do séc. I aC., como parece ser o caso do Castelo Velho do Lucefecit; por outro, das próprias vicissitudes geradas pela instabilidade do poder de Roma durante esta fase, com os diversos episódios das Guerras Civis, que tiveram no Ocidente peninsular um importante palco de acção.

Efectivamente, todos os dados disponíveis situam a Rocha da Mina num contexto cronológico claramente tardo-republicano, sem qualquer ocupação anterior à conquista romana.

Apenas um contexto de grande instabilidade, tal como Varrão nos transmite para esta região em meados deste século I aC, justificaria a instalação de uma pequena comunidade, dissimulada na paisagem, mas protegida por potente muro de evidente cariz defensivo, algo pouco aceitável pela potência ocupante, então mais preocupada com as suas lutas internas que em manter a estabilidade.

Por esta mesma razão, terminado o longo processo das Guerras Civis, em particular nos episódios ocorridos em contexto peninsular, a Rocha da Mina é abandonada, eventualmente antes mesmo do último quartel do séc. I aC., para não mais voltar a ser ocupada.

A instalação e abandono de um sítio com características peculiares na região deverão ter decorrido em resposta a um contexto específico, podendo o possível santuário ter funcionado como elemento agregador de populações dispersas no território, após o desmantelamento das redes de povoamento pré-existentes durante a primeira metade do séc. I aC. 

Contudo, se a possibilidade de se tratar de um santuário nos surge como plausível, certo é que a escassez de trabalhos no local deixa em falta provas convincentes sobre o efectivo uso do espaço da Rocha da Mina como área cultual neste momento precoce da romanização.

É pois absolutamente imprescindível para o conhecimento efectivo da Natureza da ocupação na Rocha da Mina continuar os trabalhos de escavação arqueológica, tentando obter dados que provem o seu uso cultual, tal como foi possível documentar em outros locais do Sudoeste peninsular, alguns deles com marcadas semelhanças com a Rocha da Mina.

De facto, o caso do Santuário da Cueva del Valle, em Zalamea de La Serena é o que apresenta maiores similitudes com a Rocha da Mina, sendo dos poucos em que foi possível confirmar a sua natureza de Santuário Rupestre. Este local instala-se sobre um grande afloramento rochoso, com ampla visibilidade envolvente, no que difere da Rocha da Mina, apresentando uma pequena cavidade, parcialmente artificial no topo, à qual se acede através de uma rampa com uma escadaria talhada na rocha. Todavia, aqui, a escadaria talhada tem um sentido eminentemente prático, estando situado a meia encosta do acesso, e não directamente ligado com a plataforma cultual. No entanto, o mais importante foi o achado de um numeroso conjunto de ex-votos cerâmicos, pés, estatuetas completas, pequenos vasos, etc., que confirmam a sua natureza votiva.

Estes ex-votos apresentam grande parecença com outros documentados na região de Castro Verde, no sítio de São Pedro das Cabeças, uma destacada elevação na planura alentejana, justamente onde ainda hoje se celebra o milagre da Batalha de Ourique, onde D. Afonso Henriques se bateu e venceu os ditos “infiéis”. No local, sem qualquer grande elemento rochoso em destaque, documentou-se um enorme conjunto de ex-votos em cerâmica, nomeadamente cabeças, que poderão ter dado o nome ao local, mas também mandíbulas, olhos e imensos pequenos vasos votivos.

Assim, enquanto não obtivermos dados como estes, através de escavações arqueológicas, o santuário da Rocha da Mina deve permanecer como uma hipótese plausível.

No entanto, se quanto ao passado não temos certezas da sacralidade da Rocha da Mina, já no que diz respeito aos dias de hoje a situação afigura-se algo distinta.

 Na realidade, a proposta da existência de um santuário no local, a sua associação a um primitivo santuário de Endovélico, e a sua proximidade ao Santuário romano, rapidamente fizeram do local um ponto de atracção, que gerou novos discursos e novas identidades, o que os contributos literários, como a Hora de Sertório e a Voz dos Deuses, de João de Aguiar, certamente favoreceram.

Obviamente que o contexto paisagístico e imanência telúrica do local em muito contribuem na multiplicação do factor sagrado e na expansão de novas crenças, que vão integrando o espaço em novos discursos identitários, já profundamente enraizados na Rocha da Mina.

É com frequência que se registam no local vestígios diversos de claras participações e experiências de fundo cultual, para as quais nada existe de historicamente enraizado, ao menos no sítio, mas que foram sendo introduzidas, no que constitui um fenómeno sociológico de enormíssimo interesse, da criação de uma Tradição, baseada apenas numa possibilidade arqueológica.

Por fim, mas não no fim, cremos ser essencial assinalar como os três anos de campanha de Verão na Rocha da Mina constituíram um ponto de formação e interacção entre o público local e os grupos de estudantes que por aqui passaram e que certamente ficaram marcados pela experiência de trabalho num sítio tão extraordinário como a Rocha da Mina, como bem o sabem os nossos “vizinhos” e visitantes assíduos, moradores na curva do Lucefecit junto da Fonte Santa, nomeadamente o célebre e recentemente desaparecido Mike Biberstein.

Texto: Conceição Roque e Rui Mataloto

3 comentários:

Anónimo disse...

Excelente texto de dois excelentes arqueólogos que investigam no concelho do Alandroal à décadas. O mestre foi bom, e o resultado está aí para quem quiser ver e ler. Seriedade, trabalho e competência!

Muitos parabéns!!!

Anónimo disse...

Assino por baixo do 15 de Julho de 2014 às 13:46.

Boa continuação nas escavações deste ano. Conto mais uma vez aparecer a visitar toda a equipa de trabalho.

Anónimo disse...


FAÇO MINHAS AS PALAVRAS DO COMENTADOR DE 15/7, DAS 13.46.

SUBSCREVO NA ÍNTEGRA !!!

PARABÉNS A AMBOS E MUITÍSSIMO OBRIGADA !

Uma Alandroalense Orgulhosa (L...)