sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

POETAS DO CONCELHO D' ALANDROAL

III DÉCIMAS

Décimas populares pelo poeta José Romão, mais conhecido por «Cacete». Nasceu a 29 de Dezembro de 1915, na aldeia de Ferreira de Capelins, freguesia de Santo António de Capelins, concelho de Alandroal. Exerceu toda a sua vida a profissão de trabalhador agrícola e começou a escrever poesia contava apenas 10 anos de idade. José Romão já não se encontra entre os vivos.
Poet'anarquista
José Romão (Cacete)
Poeta Popular

Mote

O dote não é comprado
O dote ninguém o vende
O dote por Deus é dado
Não se ensina nem se aprende

Glosas

Quem tem o dote de artista
É logo artista ao nascer
Tudo deve saber
A prova está bem à vista.
Seja de poeta ou fadista
Qualquer dote admirado
Só é apenas gerado
Pela força do destino,
O dote não tem ensino
O dote não é comprado.

O dote nasce na gente
É filho da natureza
O dote é uma beleza
Que há em nós muito diferente.
Seja quem for certamente
Quem um bom dote pretende
Se o não tem não se defende
Nem com montes de dinheiro,
Se correr o mundo inteiro
O dote ninguém o vende.

O dote é uma ciência
Que nasce dentro de nós
Não tem vulto nem tem voz
Nasce da inteligência.
Vem-nos pela providência
Conforme for destinado
Um bom dote é invejado
Por aquele que não o tem,
Bom ou mau p'ra todos vem
O dote por Deus é dado.

Se um bom dote se comprasse
De menino até velhote
Quem tinha dinheiro tinha um dote
Bom, custasse o que custasse.
Mas se na gente não nasce
Creio que tudo compreende
Que Deus a ninguém atende
Pedidos a esse fim,
Então o dote é assim
Não se ensina nem se aprende.

Cacete

1 comentário:

Anónimo disse...

O NOSSO CONCELHO É UM "NINHO DE POETAS"!!!

A MINHA HOMENAGEM!!!

Uma Alandroalense Embevecida (L...)